Jornal de Opinião

São muitos os textos enviados para a Agência Ecclesia com pedido de publicação. De diferentes personalidades e contextos sociais e eclesiais, o seu conteúdo é exclusivamente da responsabilidade dos seus autores. São esses textos que aqui se publicam, sem que afectem critérios editoriais da Agência Ecclesia. Trata-se de um espaço de divulgação da opinião assinada e assumida, contribuindo para o debate de ideias, que a internet possibilita.

11/12/09

Escutando Jesus diante do presépio

Agora que caminhamos a passos rápidos para a celebração do Natal, torna-se um tanto essencial parar diante da ‘imagem’ do Menino Jesus – o festejado – para escutarmos, cada um a seu modo, aquilo que Ele nos quer dizer.
Em linguagem simples como que reproduzimos breves mensagens de Jesus Menino.


* A ti que és filho
Vês-me despido e sem grande encanto, pois sou uma criança.
Assim deixa que teus pais – dando graças, se tal for o caso, por tê-los ainda juntos e unidos – te amem, corrijam e acariciem.
Sabes como é bom ter pais biológicos, psicológicos e espirituais... pois, eles dão-nos segurança e a sua presença nos fortalece pela vida além.

* A ti que és pai
Olha-me como o teu filho mais amado – seja o primeiro ou o último – e dá-me a tua atenção, vendo-me como uma pessoa, diferente de ti, mas necessitado de carinho e de aconchego.
Dá-me tudo isso e outro tanto te darei em compensação.

* A ti que és mãe
Olha-me com essa ternura, que um coração feminino e materno é capaz de sentir.
Por certo sentirás a memória de seres mãe, antes e depois do parto.
No teu serviço à vida tu continuas a permitir que o dom da vida se propague neste mundo.
Ao veres-me como filho, suplica, hoje, o perdão para tantas que recusaram sê-lo, biológica, psicológica e (até) espiritualmente.
Quero perdoar-lhes infundindo nelas nova vida e vida nova.

* A ti que és irmão
Repara em meus braços abertos, querendo receber-te e abraçar, através de ti, os teus irmãos. Não lhes recuses o dom da fraternidade nem obstaculizes a correcta vivência da paz.
Mais do que coisas, Eu preciso de ser acolhido por todos, abraçando-os e sendo abraço de comunhão em paciência.

* A ti que és avô/avó
Na grandeza do amor feito bênção, quero servir-me da tua história para prolongar os benefícios divinos, tanto pela longevidade como pela sabedoria feita maturidade em crescimento.
Quando tantos se sentem em solidão e em isolamento, Eu quero confortá-los mesmo nas horas de maior silêncio em esvaziamento.
Como será importante deixar passar o tempo, saboreando-lhe as consolações e filtrando as amarguras... à luz de Deus.

Neste Natal de 2009, Jesus continua à espera de ser acolhido no nosso coração.
Que Ele tenha lugar em nós, na nossa família, à nossa mesa... e na nossa vivência em Igreja católica.
Vamos conhecer mais e amar melhor Jesus Cristo.

A. Sílvio Couto


0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial