Jornal de Opinião

São muitos os textos enviados para a Agência Ecclesia com pedido de publicação. De diferentes personalidades e contextos sociais e eclesiais, o seu conteúdo é exclusivamente da responsabilidade dos seus autores. São esses textos que aqui se publicam, sem que afectem critérios editoriais da Agência Ecclesia. Trata-se de um espaço de divulgação da opinião assinada e assumida, contribuindo para o debate de ideias, que a internet possibilita.

26/11/09

A Acção Católica Rural (ACR) nos 75 anos da Acção Católica Portuguesa

A ACR participou intensa e entusiasticamente nas comemorações realizadas no Porto, nos passados dias 7 e 8.

Tendo assumido a iniciativa desde o início, o Movimento mobilizou-se, como um todo, para a participação comemorativa. Assim, na jornada de estudo, realizada no Sábado, dia 7, estiveram presentes 40 delegados das 14 dioceses onde o Movimento está implantado, incluindo a do Funchal.

Na Assembleia de Domingo foram mais de 250 os militantes e dirigentes que marcaram vincada presença nas celebrações sendo de relevar, ainda, o trabalho que os 20 animadores realizaram com as 80 crianças e adolescentes.
Coube, também, ao numeroso grupo de jovens da ACR, a animação dos trabalhos e da Eucaristia de encerramento.

Mereceu particular destaque, pelo seu conteúdo, a comunicação da Presidente Nacional, Ângela Almeida, na abertura dos trabalhos de Domingo, do seguinte teor:
“A decisão da ACR, de propor aos outros Movimentos, a comemoração dos 75 anos da instituição da Acção Católica em Portugal foi tomada no plenário do nosso Conselho Nacional, realizado em Julho de 2008, tendo sido suscitada por numerosos apelos de dirigentes, antigos e actuais e de Padres e Bispos com quem dialogámos.
No Seminário realizado pelo nosso Movimento em Novembro do ano passado, foi este tema amplamente debatido, no seguimento da intervenção aí efectuada pelo Senhor Bispo de Viseu, D. Ilídio Leandro.

Depois seguiram-se as diversas reuniões no âmbito do fórum dos Movimentos, ao longo dos meses passados, culminando com estas Jornadas comemorativas.

Gostaríamos que se tivesse ido mais longe, sobretudo na preparação destas Jornadas, dando voz e vez àqueles que são a verdadeira essência do trabalho realizado pela Acção Católica – os militantes de base, que no quotidiano, são a presença viva e actuante de Cristo e da Igreja no Mundo, ao serviço dos homens seus irmãos, sobretudo dos mais desfavorecidos, que sofrem as incidências de uma sociedade progressivamente mais desumanizada.

Sabemos que o Mundo mudou, e continua a mudar, cada vez mais depressa, e que as pessoas que nele vivem, protagonistas e sujeitos activos e passivos das transformações, também evoluem com as condições sociais, económicas, culturais e religiosas que as envolvem. Mas, quando se afirma que a Acção Católica está esgotada e ultrapassada, tem-se presente, apenas e só, o modelo de organização que a caracterizou, qual fato de vestir confeccionado no século passado e que já não se ajusta ao modelo.

Todavia, o essencial da Acção Católica permanece actual, exactamente por ser o cerne da Evangelização dos Meios, Ambientes e Pessoas, sem nunca se desadequar, porque tem a ver com princípios e valores fundamentais: formação sólida dos militantes (evangélica, cultural e cívica), leitura dos acontecimentos da vida e reflexão à luz dos critérios evangélicos, acção esclarecida e solidária nos acontecimentos e na história, iluminada pela Fé e pela força da Caridade.

A acção evangelizadora e transformadora dos militantes e dos grupos, enformada pela pedagogia dinamizadora da Revisão de Vida, visa exactamente a mudança qualitativa das pessoas, das estruturas e dos meios.

Como se poderá dizer desta forma de ser Igreja que ela caiu em desuso e morreu com o tempo?

A não ser que se ache que este trabalho é demasiado exigente e incómodo, porque desinstala e questiona uma Igreja que se acomoda aos novos padrões de vida, que uma sociedade, sem ética e sem valores, pretende impor.

É necessário, isso sim, como em toda a Igreja, reformular a organização e as formas de actuação, que são a roupagem acessória dos Movimentos.
Contudo, diremos com o Papa Paulo VI, que a Acção Católica não foi ultrapassada, não é substituível, não está esgotada".

Estas jornadas têm de demonstrá-lo! “ (fim de citação)

A ACR desafia as Dioceses onde está implantada a promover, também elas, jornadas comemorativas dos 75 anos da Acção Católica, com o propósito de celebrar o passado e o presente, mas sobretudo de relançar o futuro.

Equipa Nacional

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial