Jornal de Opinião

São muitos os textos enviados para a Agência Ecclesia com pedido de publicação. De diferentes personalidades e contextos sociais e eclesiais, o seu conteúdo é exclusivamente da responsabilidade dos seus autores. São esses textos que aqui se publicam, sem que afectem critérios editoriais da Agência Ecclesia. Trata-se de um espaço de divulgação da opinião assinada e assumida, contribuindo para o debate de ideias, que a internet possibilita.

13/10/11

Resistências à mudança

Quem anda atento às mudanças sociais e culturais e não se esquece que a Igreja está ao serviço da sociedade e das pessoas tem consciência de que muitas coisas têm de mudar na acção pastoral. Nem sempre as mudanças são aquelas de que as pessoas falam, movidas por razões sopradas e pouco sabedoras do que na Igreja é essencial.

O concílio Vaticano II foi o acontecimento com maior força propulsora da mudança a operar-se na Igreja. Realizou-se para isso mesmo, segundo os objectivos anunciados por João XXIII, que queria não a continuação de uma Igreja clerical, mas o surgir de uma Igreja Povo de Deus, marcada pela Comunhão e pela Missão. Uma Igreja capaz de entender a sociedade e de dialogar com ela sobre o desígnio de Deus a operar-se na história humana. Uma autêntica mudança que toca em conceitos e critérios, em atitudes e projectos.

Não era fácil a conversão, sobretudo dos que, embrenhados nas estruturas e nos modelos tradicionais, teriam sempre grande dificuldade em se libertarem para poderem adquirir a liberdade interior sem a qual não são possíveis as verdadeiras mudanças. Quem viveu o antes do Concílio, e logo o seu depois, entende estas dificuldades porque as sentiu. Destes, os primeiros, dependia muito o rumo e o impulso conciliar. Foi-se, porém, pelo mais fácil e espectacular, passou-se, em muitos casos, ao lado dos grandes apelos à conversão, sossegou-se a consciência pensando que os outros é que tinham de mudar, deu-se lugar a superficialidades que não seriam inócuas, pôs-se patine em muitas coisas velhas. O ambiente era de cristandade e mera conservação, com sentença de morte anunciada a partir dele próprio, pensando-se, logicamente, que não sobreviveria. Acabou por ser ele mesmo marcar o ritmo da anti mudança. Com tudo isto, andou-se para trás e deram-se muitos passos em vão.

Bento XVI disse, recentemente, na Alemanha, que, na Igreja, “há mundo a mais e Espírito a menos”. E falou que, sem a conversão profunda do Papa, dos bispos e padres, dos religiosos e leigos, de toda a Igreja, não haverá mais lugar para o Espírito. Mundo a mais, quer dizer que os critérios profano e as preocupações temporais se sobrepõem à moção do Espírito, o Único que pode dar a vida.

O Concílio foi uma lufada de ar fresco para a Igreja, que tanto pode perdurar ainda, como ter sido esquecido uma mera recordação. Os textos conciliares deixaram de ser lidos, meditados, entendidos como rumo e caminho. Muita gente da Igreja voltou à velha rotina, a programar para conservar, sem se interrogar se por aí pode alguma vez passar o vento da renovação pastoral. Os esquemas pastorais, a utilização dos recursos humanos e materiais, a linguagem, mesmo com as novas técnicas, parecem permanecer ao serviço de um passado que nada diz às pessoas de hoje. A maioria destas teve acesso generalizado ao ensino, experimentou a democracia, tomou consciência do seu valor como pessoa, sente o direito e o dever de participar. Os tempos de cristandade sempre de sabor clerical. Por isso estão desadequados e fora do tempo. Teimar neles é produzir o vácuo religioso e eclesial, continuar a construir muros que dividem e valas intransponíveis. O problema não está em sentir a dificuldade das mudanças que se impõem, mas em teimar em não querer, nem procurar caminhos novos que permitam os rumos novos que urgem na Igreja.

Os decisores eclesiais, mesmo quando inovam, estão rodeados de caminhos de tropeços que não os deixam andar. Uns incómodos, outros acarinhados. Uns doem, outros agradam. Estes tropeços, tanto se chamam grupos corporativos, como costumes, bairrismos impensáveis, ânsia de honras e vaidades, que o Concílio execrou mas que continuam a prodigalizar-se. Não se entende, quando o grito evangelizador é insistente, que se perca tempo e se desgastem energias em banalidades e disputas que cheiram a mofo e sujam a imagem da Igreja.

As maiores recriminações de Cristo foram feitas aos conservadores interessados do seu tempo, que não queriam andar, nem deixavam que outros andassem. Parece que a história se repete, com prejuízo irreparável das pessoas e da sociedade. Ao repensar a acção da Igreja hoje, há que estar atento porque, em alguns casos, os falar-se de renovação e ao dar exemplo de coisas novas, o horizonte é muito curto, o que não admira pelo pouco que se estuda, lê e reflecte, se escuta, avalia e inova. Os que querem de verdade são sonhadores e utópicos. Os que parece que querem são agentes promovidos.

D. António Marcelino

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial