Jornal de Opinião

São muitos os textos enviados para a Agência Ecclesia com pedido de publicação. De diferentes personalidades e contextos sociais e eclesiais, o seu conteúdo é exclusivamente da responsabilidade dos seus autores. São esses textos que aqui se publicam, sem que afectem critérios editoriais da Agência Ecclesia. Trata-se de um espaço de divulgação da opinião assinada e assumida, contribuindo para o debate de ideias, que a internet possibilita.

03/01/11

Ao Compasso do Tempo - Crónica de 31 de Dezembro 2010

Leitura semanal dos problemas do mundo e da Igreja

1. Escrevo esta nota a três dias do fim de 2010.

Há cerca de dezassete (dezasseis…) anos, a propósito dos direitos humanos na China, um conhecido político acusava (e acusa, de acordo com o registo no volume 1º das suas Memórias), um eclesiástico, só porque este expressou publicamente o desejo de tais direitos serem reconhecidos, como em qualquer país…

E o reparo traduziu-se no seguinte considerando: “A pessoa em questão tinha apetências de político…”

Qualquer cidadão ao lado da saúde, da educação, do justo salário, do emprego devido, etc., etc. … actua numa posição comum. É política? Claro… Só que, batidos por ideias menos claras, tantos confundem um olhar generalista com “o partidário” do xadrez.

É esta cultura prioritária, que temos de exigir a um povo que, privado de adultez política, confunde um médico de medicina geral com um especialista da mesma…

A educação para a cidadania é um primeiro e essencial degrau do saber/comportamento.

Todos somos políticos. Mas, políticos em partidos ou em opções partidárias de acção, é uma outra realidade.

Dada esta distinção primária, fico admirado com a não ciência.

2. Na mesma sequência fico atónito com referências a colegas do mesmo ministério (episcopal) através dos “média”…
Como se sentirão os membros do júri do “Prémio Pessoa”?!
Como se sentirão respeitados os bispos eméritos, os quais, pelos vistos, apesar de membros de uma comunhão colegial universal (caso contrário, terá razão um recente ex-ministro da Defesa que, em determinada circunstância, se referia, no caso de Setúbal a um “ex-bispo”… dessa Diocese) se poderão sentir reduzidos a “vozes de esquina”, a simples pontos de vista, a meros emissores opinativos…

Se os não eméritos falam na “linguagem” da Assembleia Plenária da Conferência Episcopal, era fundamental a notícia dos resultados (houve quem tenha votado contra, a favor ou em abstenção) para se avaliar do significativo da conclusão …

O jornalista António Marujo, no “Público” de 26 de Dezembro de 2010, anotava juízos de facto e de valor a serem meditados!

Fale-se em mudanças de xadrez… Mas sublinhe-se as metas e os objectivos de um serviço de pastores, dos meios utilizados, dos resultados obtidos…
Esta humildade pastoral é de primeira água. Respeita a acontecimentos concretos, pessoas em funções, dificuldades às quais se não pode fugir.

O mesmo se diga das autarquias, das associações cívicas, das famílias e do Governo, com certeza…

Foge-se da avaliação “como o diabo da cruz…”.
Estamos no fim de um ano e princípio de outro. Um melhor 2011!

MDN, Capelania Mor, 31 de Dezembro
Januário Torgal M. Ferreira

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial