Jornal de Opinião

São muitos os textos enviados para a Agência Ecclesia com pedido de publicação. De diferentes personalidades e contextos sociais e eclesiais, o seu conteúdo é exclusivamente da responsabilidade dos seus autores. São esses textos que aqui se publicam, sem que afectem critérios editoriais da Agência Ecclesia. Trata-se de um espaço de divulgação da opinião assinada e assumida, contribuindo para o debate de ideias, que a internet possibilita.

24/07/12

A diferença estará (sobretudo) no carácter

1. O pecado original da democracia (dificilmente corrigido ao longo dos tempos) é a propensão para estacionar na «cracia» (poder) e para quase ignorar o «demos» (povo). Este é convocado para atribuir o exercício do poder. Depois, resigna-se a suportar o poder, a sofrer o poder. 2. Sucede que tal percepção envenena tudo. Muitas vezes, ficamos só pelas intenções, pelos enunciados. O mais elementar conceito diz que a democracia é o poder do povo. Olhando, porém, para a realidade, o que avulta é que o povo acaba por ser a maior vítima da democracia. José Saramago asseverou: «Estamos numa situação em que uma democracia que, segundo a definição antiga, é o governo do povo, para o povo e pelo povo, nessa democracia precisamente está ausente o povo». 3. A alternativa não é, contudo, extinguir a democracia. A alternativa só pode ser refundar a democracia, recentrando-a no povo! Se a fonte do poder é o povo, o exercício do poder devia ser um serviço, uma missão. 4. Muito se fala no êxito dos países nórdicos. Apesar da crise, mantêm-se na dianteira das escalas do desenvolvimento. Frequentemente surgem apelos para que se importem os seus modelos, os seus ideais, os seus programas. 5. Tudo isto é conhecido. E muito disto é defendido. Grande parte dos nossos políticos confessa inspirar-se nas ideologias aplicadas naqueles países. O que se passa, então, para que os resultados sejam (radicalmente) diferentes? Só encontro uma resposta: o carácter. E o carácter (dos políticos e dos cidadãos) não se pode importar por decreto. 6. Naqueles países, reclamam-se direitos, mas quase ninguém foge aos deveres. A desigualdade entre as pessoas é quase nula. Os ricos vivem bem, mas os pobres também não parecem muito mal. Há muita ordem sem haver demasiada coerção. O Estado é permanentemente reorganizado. A cultura é priorizada. A corrupção é uma ausência. Os privilégios praticamente não existem. Os deputados e os ministros recorrem, frequentemente, aos transportes públicos. 7. Há quem diga que os cidadãos destes povos são de uma frieza glacial e pouco emotivos. É claro que o paraíso não mora neste mundo. A perfeição não é uma oferta da natureza; é uma constante aquisição da vontade. E ter defeitos é sinal de que o caminho ainda não está totalmente percorrido. O certo, porém, é que, mesmo com reduzida emoção e alguma frieza, os mecanismos de solidariedade funcionam melhor a norte do que a sul. E o Estado Social, que nós sentimos tremer, não dá sinais de vacilar. 8. Curiosamente, a ausência de alternância política, que nós registamos, também se verifica por lá. Com uma diferença: é que lá, mesmo quando mudam os governos, os direitos não ficam em causa; já entre nós, por cada alternância que surge, as conquistas parecem ficar em risco. Aqui, à direita e à esquerda, não parece haver alternativa à austeridade. Nos países nórdicos, à esquerda e à direita, não parece haver alternativa ao desenvolvimento! 9. Muitos pensarão que falar disto é pura demagogia. No fundo, o que não se quer é mudar. Nem mudar a mentalidade, nem a prática governativa, nem a conduta cívica. É por isso que nos limitamos a sonhar com o sucesso dos outros. E a lamentar, persistentemente, o nosso endémico atraso! João António Pinheiro Teixeira

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial