Jornal de Opinião

São muitos os textos enviados para a Agência Ecclesia com pedido de publicação. De diferentes personalidades e contextos sociais e eclesiais, o seu conteúdo é exclusivamente da responsabilidade dos seus autores. São esses textos que aqui se publicam, sem que afectem critérios editoriais da Agência Ecclesia. Trata-se de um espaço de divulgação da opinião assinada e assumida, contribuindo para o debate de ideias, que a internet possibilita.

11/07/12

Chamam-lhe a «Partícula de Deus»!

1. Deus está em toda a parte: no grande, no pequeno e no pequeníssimo. Até a uma partícula subatómica, extremamente difícil de localizar, deram o nome de «Partícula de Deus»! Com a sua descoberta, a ciência terá dado o último passo para chegar ao primeiro instante, aquele em que cada organismo recebe condições para existir. 2. É interessante notar como a ciência hoje acaba por ter as mesmas inquietações da filosofia de outrora. Ambas se empenham na procura da «archê», ou seja, do que está no início de tudo. É claro que a ciência actual tem recursos infinitamente maiores. Mas é significativo verificar que a direcção da procura é semelhante: o que está na origem, o que desencadeia tudo. 3. Naqueles tempos, uns achavam que era o «ar», outros a «água», outros a «terra», outros o «fogo», outros o «indeterminado» («apeiron»). No nosso tempo, a busca da «archê» tomou uma dupla orientação. A Cosmologia já identificou o momento inicial do universo: o «Big Bang». A Física acabou de localizar o elemento primordial da matéria: o «Bosão de Higgs», a partícula que dá massa às outras partículas! 4. A descoberta desta partícula corresponde, desde logo, a um postulado, a uma espécie de exigência. Há cerca de 50 anos, vários físicos procuravam uma explicação para a existência da matéria. O que é que explica que a matéria exista? 5. Sabia-se que é necessário haver uma partícula que confira massa às outras partículas. Sem essa partícula (ínfima), o universo (enorme) nunca teria surgido. Nem as galáxias, nem as estrelas, nem os planetas, nem nós, humanos. Em suma, nada do que existe existiria. A importância desta descoberta é tanto maior quanto ela era tida por impossível até há pouco. Stephen Hawking, por exemplo, chegou a apostar que tal partícula jamais seria encontrada. 6. A partícula é conhecida por duas designações. Há quem lhe chame «Bosão de Higgs» porque foi Peter Higgs e outros cinco cientistas que, em 1964, postularam a sua existência. Mas o mais curioso é que esta é também denominada «Partícula de Deus»! Tal expressão surge no título de um livro de Leon Lederman. Parece que a sua vontade era que a obra fosse intitulada «Goddamn particle»(literalmente, «o raio da partícula»). Só que o editor não aceitou. Optou-se, então, por deixar cair a segunda parte da palavra e o livro passou a chamar-se «God particle», ou seja, «Partícula de Deus»! 7. É espantoso como, também neste aspecto, subsiste uma similitude relativamente à antiguidade. Também nessa altura, o divino era postulado como a explicação última de tudo. Deus era, portanto, visto como o fundamento. Com uma subtileza refrescante, o divino era descrito por alguns como a alma do que existe. Ele é o ser que faz com que tudo seja. Daí a tendência para não categorizar o divino. Usavam-se termos como «pneuma», que tem que ver com ar, e «theós», que originalmente significa hálito! E, a bem dizer, Deus é esta «aragem» que nos cerca e este «hálito» que, vindo das alturas ou das profundezas, nos envolve. 8. O «Bosão de Higgs» será, provavelmente, um dos últimos passos que nos transporta aos primeiros instantes. As questões quanto ao «como» do funcionamento da natureza estarão à beira das respostas definitivas. Mantém-se, entretanto, a pertinência do grande «porquê». Deus não é, obviamente, uma partícula. Mas pode ser procurado a partir do estudo dessa partícula. 9. A ciência presenteia-nos, uma vez mais, com um forte «caudal». de respostas. E deixa-nos a «ponte» para continuarmos atentos às perguntas. Este é, pois, um momento prodigioso para o conhecimento humano e para o prosseguimento da escuta, da procura, do debate. Nada está arrumado. Tudo permanece cada vez mais em aberto! João António Pinheiro Teixeira teólogo

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial