Jornal de Opinião

São muitos os textos enviados para a Agência Ecclesia com pedido de publicação. De diferentes personalidades e contextos sociais e eclesiais, o seu conteúdo é exclusivamente da responsabilidade dos seus autores. São esses textos que aqui se publicam, sem que afectem critérios editoriais da Agência Ecclesia. Trata-se de um espaço de divulgação da opinião assinada e assumida, contribuindo para o debate de ideias, que a internet possibilita.

06/04/12

O que (também) podia ser a Páscoa

1. Para muitos, a Páscoa é mais o ruído do que a calma. É mais a palavra do que a escuta. É mais a acção do que a meditação. É mais o movimento do que o recolhimento.
O ruído, as palavras, a acção e o movimento dão um grande colorido às nossas terras. Mas a falta de calma, de escuta, de meditação e de recolhimento deixa um profundo vazio nas nossas vidas.

Quando falamos de Páscoa, pensamos no que, a propósito dela, se diz e se faz. Mas era bom que se procurasse o sentido da Páscoa também a partir do que, nela, não se diz e não se faz.
A Páscoa não se reduz às procissões de Sexta-feira e às celebrações de Domingo. Entre o grito da Cruz e a alegria da Ressurreição, há o silêncio da sepultura.
É também por esse silêncio que nos devíamos deixar envolver. Porque é nesse silêncio que germina a novidade plena, a surpresa maior, o reencontro total.

2. De facto, o silêncio não é necessariamente mutismo, ausência ou distância.
Há um silêncio pelo qual tudo nos chega. É o silêncio exterior que nos põe alerta. É o silêncio interior que nos põe à escuta.
É um silêncio, ao mesmo tempo, afónico e atónito. É um silêncio que tanto nos deixa sem palavras como nos preenche com uma paz inquieta.
Afinal, as palavras costumam morrer nos lábios e os pensamentos acabam por se ofuscar na mente.
É, por isso, o silêncio que nos permite acolher o grande murmúrio que Deus faz ecoar no tempo.
E há-de ser a fraternidade a levar-nos a estender a mão àqueles que vão caindo pelas estradas do mundo.
Às vezes, queremos cobrir de palavras o que escapa a toda a palavra. Se as palavras já são débeis para dizer a vida, como não hão-de ser frágeis para (des)dizer a morte?
E, não obstante, multiplicamos explicações. No tempo, atrevemo-nos a cartografar a eternidade e a mapear com minúcia cada um dos seus momentos.

3. A Páscoa é oportunidade para cantar, para louvar. Mas será ainda mais bela se for aproveitada para colher, para captar.
O silêncio não nos afasta dos problemas, mas abre-nos muitos caminhos no meio dos próprios problemas.
Jesus foi tão eloquente quando falou como quando calou. E disse-nos tanto no silêncio do sepulcro como no grito da Cruz.
O silêncio é o nada donde vem tudo. Não é esse, aliás, o transe da criação?
Deixemos, pois, falar a Páscoa no tempo! E façamos ressoar a Páscoa na vida!

4. A Páscoa é, sem dúvida, uma festa. Mas é uma festa que começa num fracasso.
O fracasso de Jesus parecia ser total, definitivo, irrecuperável.
Neste sentido, a Páscoa significa que nem a morte é o fim. A Páscoa assinala o começo depois do próprio fim.
Tudo está em aberto. E o que conta não são apenas os conceitos debatidos e as soluções já tentadas. O que conta é o novo, aquilo que ninguém (ainda) conhece, aquilo que (ainda) está para acontecer.
Adormecida, no nosso interior, está a esperança. Dorme o prolongado sono da resignação, do desalento.
É tempo de despertar a esperança. É hora de despertarmos para a esperança!

João António Pinheiro Teixeira
teólogo

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial