Jornal de Opinião

São muitos os textos enviados para a Agência Ecclesia com pedido de publicação. De diferentes personalidades e contextos sociais e eclesiais, o seu conteúdo é exclusivamente da responsabilidade dos seus autores. São esses textos que aqui se publicam, sem que afectem critérios editoriais da Agência Ecclesia. Trata-se de um espaço de divulgação da opinião assinada e assumida, contribuindo para o debate de ideias, que a internet possibilita.

29/03/12

Os (dez) Mandamentos de Jesus

Os Dez Mandamentos da Lei de Deus foram escritos em duas tábuas. Os Dez Mandamentos de Jesus não foram escritos em qualquer livro, mas estão inscritos em todos os corações.
Paul Johnson, conhecido historiador, extraiu-os da pregação do Mestre e compendiou-os numa obra recente. Vou procurar resumi-los parafraseando-os.

1. Aceita-te como és
Jesus ensinou-nos que, fazendo parte de uma comum humanidade, cada um de nós é dotado de uma personalidade única e irrepetível. Por isso, cada um tem direito a determinar a sua vida e a desenvolver uma vontade individual.

2. Aceita os outros como eles são
Jesus mostrou-nos que as opções não são excludentes, mas inclusivas. A aceitação de si mesmo não impede (antes pressupõe) a aceitação dos outros. Do mesmo modo, o amor a Deus implica o amor ao próximo. O amor está no mesmo patamar que a verdade: também é universal. É para todos. É para sempre.

3. Apesar de único, não és superior nem inferior aos outros. Para Deus, és igual a todos
Jesus sentiu-Se sempre incomodado com o carreirismo, com as disputas de lugares. O importante não é ficar à frente dos outros, mas dar o melhor pelos outros. É por isso que, em Jesus, Deus corrige as assimetrias humanas. Se alguma discriminação pratica, é apenas a discriminação positiva: traz as periferias para o centro e o centro para as periferias; faz com que os primeiros sejam últimos e com que os últimos sejam primeiros (cf. Mt 19, 30).

4. Todos os teus actos deverão serão guiados pelo amor
Jesus tinha o amor nos lábios e, sobretudo, continha o amor nos gestos. Trata-se de um amor totalizante, não fraccionado. Não é, pois, um amor egoísta, mas um amor que se doa. É um amor que envolve o espírito e também o corpo. É um amor que atende, que ouve, que reconcilia, que ajuda. No amor não há leis; há provas. Jesus deu-nos a prova suprema de amor.

5. Usarás de misericórdia e de bondade para com toda a gente
A misericórdia e a bondade dimanam do amor e vão além da lei. Elas conduzem à moderação, ao autodomínio, longe de todo e qualquer radicalismo ou pulsão para a vingança. Pela misericórdia e pela bondade, habituamo-nos a agradecer o bem e a não devolver o mal, mesmo a quem nos faz mal.

6. Serás sempre equilibrado nas tuas atitudes
Jesus era claro, mas nunca foi um extremista. Usando uma conhecida expressão de Manuel Antunes, podemos dizer que Ele desencadeou a «revolução da sensatização». Como anota Paul Jonhson, Jesus «era reservado, mas não era um eremita; era capaz de estar sozinho, mas também gostava de companhia; era comedido, mas também conseguia indignar-Se; sabia chorar, mas não desesperava; era objecto de troça, mas nunca troçou de ninguém; foi agredido e deu a outra face». Enfim, foi atacado até por causa da Sua moderação.

7. Terás sempre um espírito aberto
Jesus sinalizou a Sua abertura com a Sua vida e até com a Sua morte. O Seu coração foi aberto a toda a humanidade (cf. Jo 19, 34). O mundo evoluiu sempre que se abriu e regrediu todas as vezes que se fechou. Por isso, antes de voltar para o Pai, Jesus enviou os Seus discípulos «por todo o mundo» (Mt 28, 19). Não a uma parte do mundo, mas a todo o mundo.

8. Buscarás, permanentemente, a verdade
Jesus é o melhor guia na busca da verdade, «de uma verdade completa e total, pura e simples, despida de contornos sectários, limpa de paixões». Trata-se de uma verdade que não é conquistada, mas oferecida. Não a possuiremos nunca. Devemos deixar-nos possuir por ela. É a verdade de Deus e a verdade do mundo. Deus e o mundo não estão em oposição. Deus vem ao nosso encontro no mundo. É no mundo que vamos ao encontro de Deus.

9. Utilizarás o poder com moderação e respeitarás quem o não tem
A vida de Jesus «é um modelo de uso contido do poder e, por contraste, a Sua morte é um exemplo, catastrófico e cruel, de abuso do mesmo poder». A ressurreição significa «a vitória do impotente», que ressurge das profundidades da morte. Jesus não deixou um manual de política nem regras sobre o poder. O fundamental é que o seu exercício seja pautado pelo respeito pelos mais humildes e pobres.

10. Serás sempre corajoso
Cervantes dizia que perder os bens é perder muito, mas perder a coragem é perder tudo. Não espanta, por isso, que o grande legado de Jesus, documentado em palavras e amplamente certificado em obras, seja a coragem. É a coragem de «não apenas de resistir ao mal, mas também de o suportar». Jesus convida-nos à mansidão e à tolerância, mesmo diante da hostilidade e da perseguição. Exorta-nos a não fugir dos problemas e a manter a serenidade no meio da tempestade. Esta coragem «é hoje tão necessária como sempre foi e é tão rara como no tempo d'Ele».


João António Pinheiro Teixeira


0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial