Jornal de Opinião

São muitos os textos enviados para a Agência Ecclesia com pedido de publicação. De diferentes personalidades e contextos sociais e eclesiais, o seu conteúdo é exclusivamente da responsabilidade dos seus autores. São esses textos que aqui se publicam, sem que afectem critérios editoriais da Agência Ecclesia. Trata-se de um espaço de divulgação da opinião assinada e assumida, contribuindo para o debate de ideias, que a internet possibilita.

09/03/11

A importância de um pai...

Ser pai… quando se é Pai? É-se pai quando se engravida. A gravidez do pai dá-se em primeiro lugar no coração, onde a consciência e o sentimento de paternidade é gerado.
A gravidez do pai dá-se sobretudo quando o homem passa além de uma paternidade biológica e assume uma procriação responsável, a qual inclui também a educação. Ser pai é um dom e uma vocação. Diríamos que ser pai é estar em permanente gestação. Acolher os filhos como um dom ou como promessa é assumir a grande tarefa inicial da criação: crescei e multiplicai-vos, enchei e dominai a terra…
Ser pai é estar ao serviço da vida e da criação. É ser servo da vida, ser seu cooperador, não tão somente na ordem da procriação apenas, mas sobretudo na capacidade de gerar uma vida com sentido e de dar ao mundo um mundo novo, cheio de beleza pela permanente novidade que a vida nos traz.
Importa para isso que o pai não se esqueça que também é filho. E enquanto filho inscreve-se na lógica do aprender e do descobrir a vida. Tudo isto é um processo, diríamos uma geração prolongada, que vai acontecendo no tempo e no espaço e nas suas mais variadas e surpreendentes circunstâncias da vida social, económica, afectiva e espiritual.
Ser pai é assim ser aprendiz e ser educador em simultâneo. Não há aqui lugar para compartimentar momentos ou afazeres. Tudo se torna acontecimento que marca a vida do próprio e dos seus familiares directos. Daí que ser pai é de igual modo ser homem e esposo, ser trabalhador honesto e honrado, bom administrador dos bens, gestor dos seus recursos, responsável e cumpridor no que diz respeito aos seus deveres civis, transmissor e comunicador dos valores morais, éticos e espirituais, incansável na busca do sentido da vida e cultivador da dimensão espiritual… vive integrado na sociedade que o rodeia e partilha das mesmas necessidades, angústias e tristezas, alegrias e esperanças que os seus contemporâneos… Apesar dos contratempos e do inesperado, tem memória e confia no futuro… A sua vida é um todo e um tudo que não prescinde de ninguém. Nem ninguém prescinde dele. Fazê-lo seria anular a ordem natural da existência humana e da sua sobrevivência enquanto ser para a felicidade.
É nesta diversidade e pluralidade em que todos vivemos que descobrimos a importância de um pai. Na verdade, o pai não é o centro nem faz tudo convergir para si. Antes, cria condições e estabelece pontes de diálogo para a sã convivência das sociedades moleculares que são as famílias. Mesmo nas mais variadas formas de família que actualmente existem. Mesmo nas questões fracturantes o pai não perde o seu papel nem o deve deixar cair. O pai é figura imprescindível para o crescimento integral e integrado de qualquer criança, adolescente, jovem ou adulto. De facto não se é pai somente na infância. É-se pai desde a "gravidez do coração" até ao último instante da vida. Diríamos que a importância de ser pai está de alguma forma no seu inconformismo, na sua capacidade de se incomodar e não se acomodar. A sua autoridade perante a vida e diante os seus filhos está na lógica primeira do dom da vida. Ora a vida é dinamismo, é beleza que cria novidade permanente. E isto é amor. Demitir-se deste dinamismo e das suas consequências é deixar de amar e de entender a paternidade como um serviço à criação. Poderá mesmo ser, deixar de ter a vida por conselheira e mestra da nossa existência.
Deixo um desafio: caros pais, sois únicos, irrepetíveis e insubstituíveis. Tendes um papel de extrema importância no desenvolvimento das gerações futuras. Observai os vossos filhos, com cuidado. Descobri neles a magia da comunicação da vida. Esta comunicação acontece através de uma escuta atenta, do carinho, do olhar nos olhos para ver a profundidade do ser. Os filhos precisam de vos sentir, de vos presenciar. Sede pais a tempo inteiro. Os vossos filhos gostam de vos sentir presentes nas suas dificuldades e partilhar as alegrias. Cuidai deles e guiai-os enquanto não sabem para onde ir. Ajudai-os a discernir, a fazer opções, a ter critérios, a serem livres… Criai neles um espírito de generosidade e partilha, de alteridade e de gratuidade. Cuidai também do seu espírito, porque um espírito que se alimenta da busca de sentido na vida garante maior qualidade de vida. Sabei ainda que o “autoritarismo esmaga e a permissividade afoga” (Suzana Stroke). Não vos esqueçais que sois pais. Ides sempre à frente a abrir o caminho. Não para os substituir mas para que eles se sintam orientados. Como uma árvore para crescer direita precisa de uma vara que a guie, também os vossos filhos precisam de apoio. Não vos torneis escravos da amizade pelos vossos filhos, carregando-os às costas. Não vos deixeis levar pelos seus desejos. Sede pais. Isso vos basta. Envolvei-vos! Só o que me envolve e me implica eu aprendo e vivo.
A vida não é um já. Ela é sempre um ainda não. Um ainda inesperado e surpreendente. Isto permite-nos viver com esperança.

Equipa de Pastoral Familiar Arciprestal de Vila Nova de Famalicão

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial