Jornal de Opinião

São muitos os textos enviados para a Agência Ecclesia com pedido de publicação. De diferentes personalidades e contextos sociais e eclesiais, o seu conteúdo é exclusivamente da responsabilidade dos seus autores. São esses textos que aqui se publicam, sem que afectem critérios editoriais da Agência Ecclesia. Trata-se de um espaço de divulgação da opinião assinada e assumida, contribuindo para o debate de ideias, que a internet possibilita.

09/04/10

Tabu de batuta

Há cinquenta anos começou-se a apregoar que a alcoolismo era uma doença e não um vício.

Há quarenta anos os especialistas repetem o mesmo do consumo de droga. Os manuais descrevem a cleptomania, a dependência do jogo, a mitomania, as compulsões sexuais de repetição, etc. como perturbações do comportamento ou doenças. Descrevem os seus sintomas, o seu carácter obsessivo e compulsivo, o seu carácter repetitivo, dificilmente curável e a sua prática mais e menos imputável. Apontam factores e causas prováveis, hipotéticas, genéticas, congénitas, relacionais afectivas com a mãe, o pai e as sua ausências, sociais, etc. Oferecem-se para tratar essas perturbações.
Os abusos heterossexuais, homossexuais e bissexuais, seja com crianças com adolescentes ou adultos, homens ou mulheres, com características semelhantes àquelas perturbações também eram apresentadas como perturbações e por vezes doenças ou associadas a doenças psíquicas. E por isso deixaram em certa altura de ser só vícios, delitos ou crimes por estarem associadas e serem perturbações e doenças. E se os seus actos eram praticados com violência contra a vontade dos parceiros eram crimes mais e menos imputáveis.E poderiam até ser considerados inimputáveis se associados a patologias graves.
De repente; á medida que se descobriram mais escândalos, delitos, crimes ( vícios, pecados) de pedofilia, pederastia (com adolescentes) e abusos de violência sexual entre adultos veio o tabú. Agora nos media não se fala de perturbações ( e doenças doenças psíquicas ainda menos) associadas a estes comportamentos sexuais repetitivos e cometidos compulsivamente. Porquê? Foi declarado o tabú de batuta. O M(a)estre comanda e o exército de “especializados”, gente dos jornais, afinam pela batuta, e o “exército” obedece. Uma harmonia perfeita à volta do “empresário moral” em clima de “pânico moral”...Tudo muito conveniente. No meio de tanto ruído passará melhor como “banalidade” o aborto a pedido, o “casamento” gay, os lucros com os “embriocidas” humanos, os lucros com o tráfico de humanos, com a droga, o álcool, as armas. Grita-se para o lado…para distrair a malta para fazer passar tudo o que dá muito lucro mediante muita corrupção.

Vizu de Steps

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial