Jornal de Opinião

São muitos os textos enviados para a Agência Ecclesia com pedido de publicação. De diferentes personalidades e contextos sociais e eclesiais, o seu conteúdo é exclusivamente da responsabilidade dos seus autores. São esses textos que aqui se publicam, sem que afectem critérios editoriais da Agência Ecclesia. Trata-se de um espaço de divulgação da opinião assinada e assumida, contribuindo para o debate de ideias, que a internet possibilita.

13/11/12

Afinal, que mal fez Isabel Jonet?

1. A discordância é um exercício meritório, um direito irrebatível e pode ser até uma obrigação indeclinável. Mas ela não pode contender com o reconhecimento da realidade. Exemplo: podemos não gostar do branco, mas não podemos deixar de reconhecer que o branco é branco. 2. Não é crime discordar do que Isabel Jonet diz. Mas é impossível não reconhecer o que Isabel Jonet faz. Ela pode não ter dito muito bem. Mas tem feito muito e bem. E isso é o que importa. E é o que mais depõe em seu favor. 3. E, já agora, quanto ao que ela disse, nem sequer vejo razão para tanta celeuma. Tudo se resume a isto: temos de aprender a viver na adversidade. Já S. Paulo o disse aos filipenses (4, 12): «Sei viver na riqueza e sei viver na pobreza». Mas não é isso que já estamos a fazer? Não sentimos que estamos a aprender a viver nesta situação difícil? 4. E, depois, é assim tão mau fazer caridade? Que seria de tantos sem a caridade de tantos? É claro que a caridade não pode ser uma forma de humilhar os outros, de mostrar superioridade sobre a vida dos outros. É verdade que a caridade não dispensa a justiça. E, acima de tudo, é importante perceber que a caridade não pode ser o pretexto para que tudo continue na mesma. Mas, em si mesma, a caridade é uma forma de amor. 5. Aliás, um dos efeitos mais nefastos que esta crise pode revelar é o que já está a acontecer: colocar as vítimas da crise umas contra as outras. É uma armadilha que alguém, astutamente, congeminou e na qual, pouco subtilmente, estamos a cair. As críticas a Isabel Jonet e aos que recebem alguns apoios sociais relevam desta cedência. 6. Volto a insistir: a crítica é legítima, mas, nesta altura, a unidade é (mais) necessária. Este é o momento de unir esforços e juntar vozes. Este não é o tempo de desperdiçar energias. O alvo dos pobres não podem ser os outros pobres. Nem, muito menos, aqueles que estão ao lado dos mais pobres. 7. A própria Igreja, que neste campo já faz muito, pode (e deve) fazer muito mais. Pode (e deve) intervir, falar, anunciar e denunciar. A acção é importante, mas, nesta fase, a palavra pode ser decisiva. 8. É preciso que a Igreja não pareça «eclesiocentrada» nem apareça «eclesio-sentada». A Igreja tem de estar sempre «teocentrada» e «antropocentrada», centrada em Deus e no Homem. Ela tem de estar cada vez mais ao lado dos pobres e dos que estão, aceleradamente, a empobrecer. É para isso que ela está no mundo. Foi para isso que Jesus Cristo veio à terra! 9. A crise desvela o que, muitas vezes, tende a estar velado: nem tudo é linear. O aumento da receita não tem de vir apenas (nem principalmente) dos impostos. E, mesmo quanto a estes, não é curial que sejam sempre os mesmos a sofrer o peso da factura. O pensamento linear, segundo o qual não há alternativas, não traz grandes benefícios. Já está gasto, falido. 10. Temos de reaprender o pensamento complexo. Temos de reaprender a ligar os conhecimentos, a ligar os contributos e (sobretudo) a ligar as pessoas. Era bom que houvesse muita gente como Isabel Jonet. E, graças a Deus, até há! João António Pinheiro Teixeira teólogo

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial