Jornal de Opinião

São muitos os textos enviados para a Agência Ecclesia com pedido de publicação. De diferentes personalidades e contextos sociais e eclesiais, o seu conteúdo é exclusivamente da responsabilidade dos seus autores. São esses textos que aqui se publicam, sem que afectem critérios editoriais da Agência Ecclesia. Trata-se de um espaço de divulgação da opinião assinada e assumida, contribuindo para o debate de ideias, que a internet possibilita.

13/07/10

ÁFRICA DO SUL - Falta de moral dos líderes e o Mundial 2010

1. Em documento enviado à Fides, os bispos sul-africanos declararam-se, em Março deste ano 2010, "profundamente preocupados com o escandaloso comportamento dos lideres que vergonhosamente ignoram as normas da moral e da decência, aceites e exigidas pela grande maioria da população" afirmam, em um comunicado assinado em nome da Southern African Catholic Bishops' Conference (SACBC) pelo Cardeal Wilfrid
Napier, Arcebispo de Durban.
E, continua o documento - deploramos as tentativas de desculpar ou defender o mau comportamento moral em nome da 'cultura'. Baseando-nos no claro ensinamento de Nosso Senhor Jesus Cristo sobre as relações entre homens e mulheres, casados ou não, apelamos aos nossos líderes para que se empenhem em serem modelos positivos para os jovens e crianças da nação".
O comunicado foi publicado após a revelação de que o Presidente sul-africano Jacob Zuma, polígamo e fiel às tradições zulu, teve um filho fora do matrimónio. Zuma, 67 anos, casou-se no mês passado pela quinta vez, e tem, actualmente, três mulheres legítimas. Seu último filho nasceu da relação com a filha de Irvin Khoza, Presidente do Comité organizador do campeonato mundial de futebol, no próximo mês de Junho. O presidente sul-africano, já pai de 19 filhos legítimos, reconheceu seu vigésimo filho pagando o Inhlawulo, a tradicional indemnização à família Khoza. Zuma apresentou suas desculpas, afirmando estar profundamente sentido pelos sofrimentos causados à sua família, a seu partido, Consellho Nacional da África do Sul, e aos sul-africanos em geral, e reiterou "a importância da família como instituição". Recentemente, no fórum internacional de Davos, na Suíça, Zuam defendeu a poligamia, dizendo que "é um problema apenas para as culturas que se julgam superiores".

As desculpas do Presidente não parecem suficientes pelo que os Bispos católicos: "estão indignados pelo facto de que, não tenha expressado remorso e arrependimento por seu adultério. Igualmente abalados pelo dano irreparável causado aos esforços da nação para reduzir ou reverter a galopante difusão da AIDS".
Pedimos, portanto, a toda a comunidade eclesial, que realize a sua vocação e a missão de testemunhar a vida e o ensinamento de Cristo, rechaçando todo comportamento imoral, de modo especial, a imoralidade sexual, comprometendo-se em manter os ensinamentos do Criador para construir uma sociedade sólida e saudável" - conclui o comunicado.

2. Quando saiu este comunicado estávamos em Março de 2010. Em Junho, a África do Sul e o continente africano acolheram o Mundial de Futebol. Julgo ter sido muito positiva a escolha do continente africano para um acontecimento que sempre galvaniza multidões. Se há muito de positivo, também não faltará o lado negativo. A África do Sul é certamente um país onde reina a Sida e proliferam outros males graves em detrimento dos direitos da pessoa humana. Um país rico onde os Botas deixaram um alto grau de desenvolvimento e de investigação científica, embora com os efeitos negativos de dois mundos paralelos.
Eu mesmo fui bem tratado no Hospital Central de Joanesburgo. Continua no entanto a haver bolsas de pobreza e de miséria, a exigirem a atenção dos governantes e da comunidade internacional. É preciso ver para crer. Creio que os largos milhares de visitantes nestes dias, ficaram com uma ideia mais completa do país.

De certeza que sentiram o calor do acolhimento característico do povo africano, e sentiram que o povo africano é mais forte em muitas tradições que se referem aos grandes valores da família, da sociedade e do bom viver, do que o povo ocidental, que até "escandaliza" com procederes a que "insensatamente" chama modernidades. A África do Sul cresceu fortemente aos olhos do mundo, com milhões de espectadores com os olhos postos nos écrans gigantes que várias cidades e grupos desportivos dispuseram para os seus apaniguados, em todo o mundo livre. Ao de cimo veio a nobre figura de Nelson Mandela, ovacionado no passeio de carro, que fez ao campo de futebol onde se iria jogar a final. Ovacionado porque foi o homem do país. Pensou-o, sonhou-o, lutou por ele, sofreu, perdoou, e seguiu os passos positivos dos governantes, sem qualquer resquício de vingança para com os que o fizeram sofrer. Grande homem. Grande estadista. A África do Sul, um país lindo, de cores e de vida, ganhou com o Mundial 2010 mas, bem podemos dizer que, foi toda a África que ganhou.

ARMANDO SOARES
padre missionário da smp


0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial