Jornal de Opinião

São muitos os textos enviados para a Agência Ecclesia com pedido de publicação. De diferentes personalidades e contextos sociais e eclesiais, o seu conteúdo é exclusivamente da responsabilidade dos seus autores. São esses textos que aqui se publicam, sem que afectem critérios editoriais da Agência Ecclesia. Trata-se de um espaço de divulgação da opinião assinada e assumida, contribuindo para o debate de ideias, que a internet possibilita.

10/02/10

Terreno sagrado

Fui dos poucos privilegiados que participaram na inauguração de um Gabinete de Apoio a Mulheres Prostituídas e em Risco. Fiquei muito grato pelo convite, porque tenho uma especial admiração por aquelas pessoas, Religiosas, Técnicos e Voluntários, que dedicam a sua vida a mulheres, que consideramos indignas de se sentarem ao nosso lado nos bancos da igreja e muito mais indignas de comungarem o corpo imaculado do Cristo libertador.

Admiro estas e estes “samaritanos” que, por amor, passam a vida a “cuidar do outro” a exemplo do Bom Pastor que vai amorosamente procurar a ovelha tresmalhada. “Ovelha tresmalhada”, digo eu (por)que me classifico no grupo dos bem-comportados, esquecendo a lição do fariseu e do publicano.

Admiro estas pessoas, que, animadas umas pela fé num Deus que é Pai de todos, outras pela consciência de que todos somos irmãos, passam, os dias, calcorreando estradas e matas, e, as noites, percorrendo as ruas da Baixa, batendo às casas de alterne e, resistindo a insinuações e equívocos, vão escutar e acolher mulheres cujas trajectórias de vida foram, de um modo geral, via-sacras sem Cireneus. Não vão para converter ninguém, até porque ninguém converte ninguém: cada um só pode converter-se a si próprio. A sua única regra é, nesta “Luta contra a Pobreza e a Exclusão”, o Amor ao “outro”, a qualquer “outro”, especialmente ao que está em maiores dificuldades. Vão dizer-lhes que são amadas, quanto mais não seja pelo Deus que as criou à sua imagem, mesmo que não o conheçam ou não o queiram conhecer.

Um parêntese para dizer que, nesta homenagem, quero envolver tantos samaritanos de outros “tresmalhados”, igualmente ignorados pela sociedade e pela comunidade cristã.
Mas, como lá foi dito, os protagonistas são aquelas mulheres ditas “perdidas”. Delas é que eu devia falar. O problema é que eu não sei falar da sua vida difícil, do sofrimento disfarçado, do prazer simulado, da violência escondida. Só sei que nunca tive a coragem de as procurar para lhes falar de uma esperança possível, de lhes anunciar que a vida não acaba na agonia da sexta-feira santa nem com a crucifixão em tantas cruzes que a humanidade foi inventando. O que me dói é que, considerando-me cristão e crendo que amo seriamente a Jesus Cristo, afinal só O amo na Sua Pessoa, mas não na Pessoa a que Ele se une intimamente; na alegria da hóstia comungada, mas não no irmão esfarrapado à porta da igreja, que olho de lado e com medo de lhe dirigir a palavra ou apertar a mão como os judeus faziam aos leprosos. E ponho-me a pensar que cristão sou eu, que fé é a minha, que caridade é que pratico. Pergunto-me se amo realmente Jesus Cristo ou se não se trata apenas de um amor platónico, um amor fácil que logo esqueço quando Ele me aparece escondido numa prostituta, num sem-abrigo, num cigano ou num drogado. E, cheio de angústia, interrogo-me se não serei um amante infiel que apenas O recordo quando me sinto em dificuldade ou Ele me aparece no aconchego da celebração litúrgica, no quentinho da meditação da sua Palavra, nalgum alienante “monte Tabor” onde “é tão bom ficarmos aqui” longe de todas as dores e sofrimentos do mundo, ou na partilha de algumas palavras escritas ou afirmadas num qualquer colóquio em que participo.

Mas basta de lamentações catárticas, porque o arrependimento sem conversão nada vale. Por isso, vou dar um pouquinho de atenção às verdadeiras protagonistas voltando àquela cerimónia tão simples e rica como profunda e amorosa. O que mais me marcou foi a Palavra de abertura, que descreve o encontro de Moisés com Deus que, do meio da sarça ardente, lhe ordena: “Tira as sandálias, porque o terreno que pisas é sagrado” (Ex 3,5). Este texto quis “apenas” lembrar que aquelas mulheres, ludibriadas por gente sem escrúpulos, violentadas na sua alma, exploradas no seu corpo, profanadas na sua dignidade de pessoa, ignoradas por todos mesmo por aqueles que as usam, são “terreno sagrado”, porque são uma das mais dramáticas versões da sarça ardente. E, se são “terreno sagrado”, devem ser tratadas verdadeiramente com “pés descalços”, com “mãos delicadas”, com a reverência e o cuidado de quem é imagem visível de Jesus pregado na cruz. Só podemos identificar estas mulheres como “terreno sagrado” se as virmos com os olhos da fé, de uma fé radical que nasce do encontro íntimo com Jesus, e se estivermos profundamente convictos de que “no início do ser cristão, não há uma decisão ética ou uma grande ideia, mas o encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá à vida um novo horizonte e, desta forma, o rumo decisivo” (DCE 1).
Gostaria de terminar com duas curtas notas.

A apresentação do projecto à Segurança Social deparou-se com um obstáculo sério: as prostitutas não existem oficialmente e, portanto, não constam de nenhuma das suas várias alíneas. O que valeu para a sua aprovação foi a insistência de quem está no terreno e a compreensão, depois de um longo processo negocial, de que se tratava de um fenómeno de tal dimensão que não podia ser ignorado, mesmo utilizando uma palavra tão “inconveniente” na justificação do projecto. Tão pudicos que nós somos… mas em tão poucas coisas!

Para as comunidades eclesiais, não há pastoral mais marginalizada que a pastoral dos marginalizados. Somos comunidades que lemos e ouvimos ler a Palavra de vida eterna, celebramos com alguma dignidade a nossa fé, praticamos exercícios de caridade, sobretudo com algumas migalhas do nosso supérfluo, mas ignoramos ou desprezamos os mal-comportados, os que “não respeitam a lei de Deus”. Tão puros que nós somos… mas em tão poucas coisas!

E tudo ficaria bem e em paz não fora aquela solene advertência de Jesus: “Em verdade em verdade vos digo: os publicanos e as prostitutas preceder-vos-ão no Reino de Deus” (Mt 21,31). Será que Jesus disse mesmo tal barbaridade!?

José Dias da Silva

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial