Jornal de Opinião

São muitos os textos enviados para a Agência Ecclesia com pedido de publicação. De diferentes personalidades e contextos sociais e eclesiais, o seu conteúdo é exclusivamente da responsabilidade dos seus autores. São esses textos que aqui se publicam, sem que afectem critérios editoriais da Agência Ecclesia. Trata-se de um espaço de divulgação da opinião assinada e assumida, contribuindo para o debate de ideias, que a internet possibilita.

25/01/10

Exibicionismos despudorados e atrevidos

Ouvi dizer há dias que uma certa rapariga se masturbou pública e demoradamente no palco de um famoso festival de música e que a multidão presente admirou a coragem da moça, ovacionou o seu gesto e riu desbragadamente, alcançando assim mais vida, animação e colorido o referido festival. A notícia acrescentava ainda que, dado o êxito conseguido, organizadores de outros festivais se preparam para proporcionar de novo o gesto, desta vez com alguém do sexo masculino.

Estranharemos talvez a notícia e consideraremos possivelmente o facto raro, insólito, malcriado e atrevido.
Com razão.
Não é só este, todavia. Infelizmente.
Há outros do mesmo jaez, que se vão repetindo diariamente neste país, embotando a nossa consciência e destruindo o pudor que ainda resta.
Depois que acabou a “maldita censura” dos tempos do Estado Novo (dava cabo da cultura portuguesa…- dizem os libertários da nossa democracia, orgulhosamente), nós vemos todos os dias e a todas as horas, nos filmes, nas telenovelas e nos anúncios, casais a beijar-se sofregamente na boca e a ter relações sexuais na cama de um quarto, na esquina de uma rua ou no banco de um jardim.
Praga maior ainda, nas nossas televisões, nos próprios telejornais (com todas as crianças do país a ver e a assistir), os beijos demorados, descarados e indecorosos de pares homossexuais.
Os libertários que controlam a comunicação e o seu poder, na mira de conseguirem dinheiro e audiências, vêm construindo aos poucos uma sociedade sem regras, sem valores e sem respeito, explorando sordidamente tudo o que é instinto baixo, não se coibindo de pôr em evidência actos e atitudes que deviam ficar rigorosamente na intimidade das pessoas. Para essa gente, não há nem pode haver tabus! É tudo para se ver e para se mostrar!
Peço aos meus leitores que me desculpem se eu estiver a ser demasiado rigorista ou puritano…mas, sendo eu perfeitamente capaz de compreender todos os desvios e desvarios humanos, a verdade é que tenho um nojo irreprimível de exibicionismos deste género.
No caso dos pares homossexuais, aquele aparato todo, de dia de noivado, aquelas vestes brancas, decotadas e brejeiras, a lembrar-me as velhas macumbeiras das praias de Copacabana, aqueles toques de corpo carregados de ostentação e de volúpia e aqueles beijos manducados e lascivos frente às câmaras de televisão, nos degraus do Parlamento - a casa - mãe da democracia que também o devia ser da dignidade e do respeito - cheiram-me a podridão indecente e a miséria humana, e a uma enorme degradação moral e civilizacional.
À força de se repetirem esse gestos, nos canais de televisão e nas revistas da moda, ao longo de anos e quase diariamente, grande parte das pessoas a quem isso repugnava tempos antes, já vão dizendo e repetindo agora que tudo isso é normal e natural, e que não vem nenhum mal daí ao mundo.
Que em relação a casais heterossexuais, tais actos sejam normais e naturais, não tenho dúvida, na condição de serem sinal de um amor comprometido e sério e não apenas objecto de exibição ou de prazer leviano e irresponsável. Em relação porém aos pares homossexuais, assim não é. Tais actos, mesmo que sejam praticados na intimidade e no recato, como sempre deviam sê-lo, nem são naturais, nem normais. Qualquer pessoa inteligente pode entender que cada órgão do nosso corpo tem uma função específica. Não falamos com o umbigo nem comemos com as orelhas…Se o fizermos, ninguém dirá nem achará que somos pessoas normais e que tais usos são normais e naturais…

Mas, mesmo que naturais e normais fossem, não são para ser feitos na rua ou no jardim…e muito menos perante máquinas fotográficas ou câmaras de televisão. Há coisas que, por mais naturais e normais que sejam, são do foro da intimidade de cada um e não podem nem devem exibir-se no meio de uma rua, numa capa de revista ou num canal de televisão. Urinar e defecar são coisas normais e naturais, mais naturais, mais normais e até mais indispensáveis do que as outras a que atrás me referi, e nenhum de nós o faz na rua ou no jardim, à vista de toda a gente, ou perante as máquinas fotográficas ou as câmaras de televisão…

A desfaçatez e a desvergonha com que esses pares o fazem, em público, perante as câmaras ou as máquinas fotográficas, parecem querer dizer a todos que eles é que são exemplo e modelo, eles é que são heroicidade e coragem e os outros…nós, os que não procedemos como eles ou não achamos bem o que eles fazem, não passamos de pessoas atrasadas e de moralistas retrógrados.

À sombra da liberdade de expressão, que bela educação se está a dar à nossa juventude! E que belo futuro vai ser o da nossa sociedade!
Uma sociedade sem pudor e sem vergonha, não é mais uma sociedade civilizada. É um regresso à selva e à barbárie.
E é pena que assim seja.

Resende, 15.01.10
J. CORREIA DUARTE (Pe.)

1 Comentários:

Às 15 de fevereiro de 2010 às 20:15 , Blogger Susana Cardoso disse...

Adorei o texto escrito pelo Sr.Pe.J.Correia Duarte.Tem montes de razão em tudo o que escreveu.Que bom que seria se tivesse o poder de mudar o que está de verdade, mais que errado na nossa actual sociedade;porém só nos resta rezar para que haja uma mudança radical.
Susana Sousa Cardoso

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial