Jornal de Opinião

São muitos os textos enviados para a Agência Ecclesia com pedido de publicação. De diferentes personalidades e contextos sociais e eclesiais, o seu conteúdo é exclusivamente da responsabilidade dos seus autores. São esses textos que aqui se publicam, sem que afectem critérios editoriais da Agência Ecclesia. Trata-se de um espaço de divulgação da opinião assinada e assumida, contribuindo para o debate de ideias, que a internet possibilita.

10/12/12

Sinais de fé popular ou a fé como sinal de vida?

«Sucede não poucas vezes que os cristãos sintam maior preocupação com as consequências sociais, culturais e políticas da fé do que com a própria fé, considerando esta como um pressuposto óbvio da sua vida diária. Ora um tal pressuposto não só deixou de existir, mas frequentemente acaba até negado. Enquanto, no passado, era possível reconhecer um tecido cultural unitário, amplamente compartilhado no seu apelo aos conteúdos da fé e aos valores por ela inspirados, hoje parece que já não é assim em grandes sectores da sociedade devido a uma profunda crise de fé que atingiu muitas pessoas». Este excerto da ‘Porta da fé’ n.º 2 do Papa Bento XVI como que nos pode servir de temática de reflexão, em tempo de Advento, numa perspetiva de caminhada runo à celebração do Natal. Com efeito, nalgumas situações de matiz popular – dentro ou fora do espaço da Igreja católica – como que parece que estamos mais interessados em atender às ‘consequências sociais, culturais e políticas da fé do que com a própria fé’. De fato, certos tiques de tradição parecem mais atender às questões sociais e culturais da manifestação duma certa fé do que à verdadeira fé. Efetivamente, corremos o risco de usar ingredientes mais ou menos ousados e/ou consensuais, mas distraímo-nos do verdadeiro celebrado no e pelo Natal, que é Jesus Cristo, o Verbo encarnado e redentor. = Num tecido social de cristandade profana Embora esta expressão ‘cristandade profana’ seja de meados do século passado – de Jacques Maritain, em 1950 – ela está – mais do que nunca no ativo do nosso comportamento pessoal, familiar, social, cultural religioso (atendendo às implicações católicas em particular) – com incidência em inúmeros campos da nossa atividade humana. Continuamos, efetivamente, a usufruir de regalias de índole religiosa, mas como que abjuramos – inconscientemente – as causas, embora saboreando as consequências, como por exemplo no caso dos feriados de âmbito religioso e ainda as festas de teor cristão e até as implicações de sabor popular sem as raízes que lhes deram origem nem as sustentam, como são, por vezes, as festas regionais e os festejos na maior parte dos concelhos... onde a coberto do/a santo/a se faz o que apetece mesmo que não se respeitem os promotores das mesmas... Vivemos numa espécie de cultura envernizada por tonalidades de religiosidade profana, mas cujo cerne está corroído pela traça do consumismo e onde o verme da imagem que se quer dar suga a possibilidade de questionar as razões daquilo que se faz e quanto menos ainda se interroga sobre a incoerência e o oportunismo... social, político ou intencional. = Como testemunhar a fé cristã neste Natal? Mesmo que, por entre lamúrias e impropérios, contra tudo e para com todos – sobretudo invetivando o falido Estado providência – por certo não deixaremos de idealizar a vivência nostálgica do Natal – da família, da tradição, das comidas e das bebidas, do já vivido e do ainda ansiado – onde muitos dos mitos e ritos pessoais e familiares, culturais e sociais, religiosos e quasi-pagãos como que se soltam das amarras do nosso «eu coletivo» e reclamam espaço e tempo, senão na vida pelo menos na memória... Nas recordações de infância tem um largo campo de saudade o presépio de onde emerge como que em reminiscência uma cultura que se pretendia cristã, senão no total conteúdo, pelo menos numa certa forma mais ou menos diluída de ver e talvez de querer viver... Agora que estamos em contenção de gastos – uns assumidos, outros tolerados e outros ainda indesejados – pode ser a oportunidade de vivermos a comunhão com a radicalidade de Jesus nascido no curral de Belém por não haver lugar para Ele na hospedaria. Agora podemos dar espaço e tempo à escuta e à partilha. Agora podemos e devemos tentar esvaziar-nos de tantas inutilidades (ditas) necessárias com que nos entretemos. Agora podemos, devemos e necessitamos de viver a pobreza do Evangelho no discernimento do nosso dia a dia. Queira Deus que o vivamos e o testemunhemos com humildade e verdade, já! António Sílvio Couto (asilviocouto@gmail.com)

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial