Jornal de Opinião

São muitos os textos enviados para a Agência Ecclesia com pedido de publicação. De diferentes personalidades e contextos sociais e eclesiais, o seu conteúdo é exclusivamente da responsabilidade dos seus autores. São esses textos que aqui se publicam, sem que afectem critérios editoriais da Agência Ecclesia. Trata-se de um espaço de divulgação da opinião assinada e assumida, contribuindo para o debate de ideias, que a internet possibilita.

31/10/11

Assis, orar a Deus como cada um o concebe, como A.A.?

As notícias diziam que no dia 27.10.2011 os representantes das religiões do mundo e o Papa Bento XVI teriam momentos de oração pela paz em Assis nos 25 anos do primeiro encontro . Era para isso que reuniam em Assis os 176 (Zenit) representantes das religiões: pedir juntos pela paz no mundo como “peregrinos da verdade e da paz”.


Um pormenor era, porém, referido de que os momentos principais de oração seriam em silêncio para respeitar as crenças de cada participante e não deixar a ideia de que uns se sobrepunham aos outros. “Cada um rezará do modo como acredita”. E haverá até não crentes no encontro. Cada um exprimirá os seus desejos de paz segundo as suas crenças. Cada um acenderá a sua lamparina com súplica pela verdade e pela paz.
Esta fórmula de cada um se dirigir a Deus, guiado pela procura da verdade e da paz, tal como cada um concebe Deus, nele acredita e com ele se relaciona, ou até do modo como não acredita, tem um antecedente na história de grupos de auto-ajuda, os Alcoólicos Anónimos (A.A.). Os seus fundadores praticam-na desde 1935 como recurso de reabilitação na sua dimensão espiritual. Foi encontrada para a fraternidade não se identificar com uma religião, pois não é de uma igreja nem é um movimento religioso mas de auto-ajuda aberto a todos os que pertencem e não pertencem a uma religião ou igreja e até para aqueles que não têm nenhuma religião e desejam deixar o álcool. Os fundadores descobriram que sem os álcooldependentes reconhecerem que eram impotentes perante o seu problema e sem recorrerem a um Poder Superior como princípio de cura espiritual da dependência do álcool, não se curavam do seu orgulho nem da doença alcoólica. O terceiro passo dos seus doze princípios ou passos diz: viemos a entregar as nossas vontades e as nossas vidas a Deus como cada um o concebia. Os prolongados contactos do autor com os A.A. em Portugal e em vários países deixou-lhe a convicção de que o principio é eficiente para os dois ou três milhões que o seguem os passos em todo o mundo.

Neste momento em que são redigidas estas notas o encontro de oração está a começar na Igreja de Santa Maria degli Angeli em Assis. O Poder Supremo, o Deus e Pai de toda a Humanidade vai ouvir e os representantes de tantas religiões. Será o segundo passo deste género para conseguir a verdade e a paz. O promotor do primeiro, Beato João Paulo II, lá do céu será um forte intercessor junto do Pai pelo sucesso espiritual deste encontro em união com S. Francisco o patrono da “Paz e Bem”. O Deus único e de todos aceitará a entrega da vontade e da vida dos que se sentem impotentes, por si sós, de conseguir a verdade e a paz.

Funchal, 27 de Outubro de 2011

Aires Gameiro

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial