Jornal de Opinião

São muitos os textos enviados para a Agência Ecclesia com pedido de publicação. De diferentes personalidades e contextos sociais e eclesiais, o seu conteúdo é exclusivamente da responsabilidade dos seus autores. São esses textos que aqui se publicam, sem que afectem critérios editoriais da Agência Ecclesia. Trata-se de um espaço de divulgação da opinião assinada e assumida, contribuindo para o debate de ideias, que a internet possibilita.

09/02/12

Uma fonte de esperança

Um dia com D. José do Patrocínio Dias

No dia 4 de Fevereiro foram evocados, em Beja, os 90 anos da entrada do Bispo D. José do Patrocínio Dias nesta diocese. Nesses tempos conturbados política e socialmente, a diocese de Beja não tinha Bispo residente desde o início da República. Na reorganização da Igreja no sul do país tinha sido proposto para Beja o dominicano D. Domingos Frutuoso, e D. José do Patrocínio Dias para Portalegre. Melhores avisos e conselhos levaram à sua troca em nome de mais paz eclesial e social, e maior adequação de cada um às paixões políticas e ideológicas do momento. D. Domingos havia sido preceptor dos príncipes, filhos do rei D. Carlos, o que ampliaria as hostilidades republicanas contra a Igreja no ambiente já muito crispado de Beja. A entrada de D. José na Diocese também não foi fácil nem serena. Mas ele trazia consigo as medalhas e o prestígio de Capelão Militar na I Grande Guerra. E também a experiência de lidar com situações de conflito e confrontação. A sua entrada na cidade esteve longe de ser triunfal. Com alguma estratégia e prudência, conseguiu amenizar tanto as paixões exacerbadas dos seus adversários como as daqueles que o apoiavam. Organizados para o receberem nos locais mais previsíveis, tiveram aí a notícia de que D. José já se encontrava na cidade e na igreja destinada ao bispo. Ainda não tinha casa onde residir, mas dava início à sua enorme tarefa de reorganizar uma diocese devastada pelo abandono, celebrando no coração da cidade de Beja a sua primeira missa.

Este “dia com D. José” evocou toda a sua vida, desde o seu nascimento numa família de firme fé cristã, aos estudos no colégio jesuíta de S. Fiel, ao ambiente cultural e boémio de Coimbra onde tirou curso na faculdade de teologia, aos meses de solidão após o curso que o levaram a perseguir o apelo da vocação sacerdotal. E depois os tempos como Capelão Militar e o posterior acolhimento da mitra episcopal. A exposição evocativa desta vida dedicada às populações do Baixo Alentejo é composta de fotografias, documentos escritos, objectos pessoais ou da época. Destaca-se pela estética o espaço referente ao tempo de capelão, em que a colaboração do Regimento Militar de Beja prestou um generoso contributo para a reconstituição, em miniatura, do ambiente nas trincheiras.

Mas a evocação de D. José leva-nos a outras memórias. O bispo que deu início a um novo tempo da Igreja no Baixo Alentejo trabalhou arduamente para reconstruir a sua diocese. Quando chegou tinha 17 padres para 144 paróquias, metade deles já incapazes para o extenso campo que lhes correspondia. Durante a sua vida como bispo ordenou mais de setenta. Mas isso é apenas um sinal do grande trabalho que também dinamizou ao nível social. Muito do que ainda hoje existe na área da saúde, da assistência social e da solidariedade no seu conjunto, vai enraizar em instituições ou espaços que tiveram início nessa época: a construção do Seminário, lar para idosos, hospital, acolhimento de crianças, a distribuição diária de muitas centenas de sopas e durante décadas aos mais pobres, a construção de casas, a fundação das irmãs Oblatas. D. José despertava paixões, reunia vontades, organizava sentimentos, tudo em nome da reorganização da Igreja na diocese e do socorro aos mais carenciados e abandonados. Em 1953, trinta anos depois de dar início à sua enorme tarefa, publicou uma carta pastoral muito importante para a diocese e o distrito de Beja. Nela refere, ao mesmo nível, que é preciso dar de comer a quem tem fome, construir casa a quem não tem, espalhar a fé. Isso incluía também a saúde e a escolaridade. Essa carta era um ponto de chegada de muitas realizações, mas era também um ponto de partida. Impunha-se continuar a enfrentar os males que a maioria da população alentejana padecia, pois as carências sociais eram muitas e a Igreja tinha que mostrar aquilo para que está no mundo: a salvação a partir dos mais pobres. D. José é uma figura discreta na história geral dessa época, mas uma grande figura na vida concreta do seu Alentejo. Hoje pode ainda ser uma fonte de esperança.

Frei Augusto José Matias, op
Irmã Teresa, odc (Oblatas do Divino Coração)


0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial