Jornal de Opinião

São muitos os textos enviados para a Agência Ecclesia com pedido de publicação. De diferentes personalidades e contextos sociais e eclesiais, o seu conteúdo é exclusivamente da responsabilidade dos seus autores. São esses textos que aqui se publicam, sem que afectem critérios editoriais da Agência Ecclesia. Trata-se de um espaço de divulgação da opinião assinada e assumida, contribuindo para o debate de ideias, que a internet possibilita.

26/05/09

Usa e não te prives!... Bento XVI tem razão

Passando há meses numa das ruas tortuosas do Porto, dei de caras com um enorme painel publicitário que reaparecia a cada passo, noutros sítios, mostrando preservativos de várias cores, acompanhados do slogan sugestivo que escrevi em título: USA…E NÃO TE PRIVES!

Toda a gente lembra ainda a gritaria que se ergueu contra o Papa na nossa comunicação social (falada, escrita e visionada), quando, entrevistado na sua ida à África sobre a SIDA naquele enorme e martirizado continente, sem condenar ninguém e sem proibir fosse o que fosse, disse corajosamente que a distribuição de preservativos, mesmo gratuita, só por si, não resolveu nem resolverá o problema de SIDA, que tem vindo a crescer assustadoramente e a fazer inúmeras vítimas.

Bento XVI acrescentou que a solução mais honesta e séria é a humanização da sexualidade e a educação das pessoas para uma sexualidade com responsabilidade e com regras.
A maior parte dos jornalistas, porém, não ouviram ou não quiseram ouvir esta segunda parte. Como vem sendo habitual, o que lhes interessou foi desacreditar a Igreja, e lançar para o ar umas atoardas sensacionais que causassem escândalo e levassem as pessoas a correr às bancas para adquirir o seu pasquim. Um ou outro jornalista (lembro apenas um artigo do Expresso de 21 de Março), em vez de discordar das palavras do Papa (no que tinha todo o direito) chegou mesmo ao insulto soez e baixo, vomitando na praça pública todo o veneno e toda o ódio que tem dentro, contra a Igreja e contra o Papa. Convenhamos, antes de mais, que o Papa também tem o direito de dizer o que pensa…ou só os jornalistas gozam de tal direito?! Que raio de pluralismo e que espécie de democracia é esta, em que só têm direito de expressar as suas ideias os que concordam connosco? O que o Papa disse de importante e fez de grande em África, não interessou aos nossos jornalistas. Só os preservativos lhes mereceram atenção. Eles lá sabem porquê.

O Papa não teve medo de dizer a verdade porque essa é a verdade. Se os preservativos resolvessem o problema, ao que se tem gasto, ao que se tem ensinado, à campanha constante e contínua que se tem vindo a fazer, já há muito não havia SIDA em África… e no mundo. Dias depois, o Director da Universidade de Harvard (Estados Unidos) e do Projecto para a Prevenção da SIDA, afirmou que “a suposta segurança do preservativo leva as pessoas que o usam, a correr mais riscos”. Numa revista americana, de renome internacional e sem qualquer ligação à Igreja Católica, escrevia-se também que “combater a SIDA distribuindo preservativos, é o mesmo que atacar um fogo deitando-lhe gasolina”.

Toda a gente sabe que há situações em que o uso do preservativo é aconselhável, e mesmo obrigatório. Nunca a Igreja censurou as pessoas que usaram o preservativo para evitar contagiar pessoas inocentes. Usar um preservativo é um mal menos grave do que infectar e levar à morte um inocente.

Já não se pode dizer o mesmo dessa generalização do preservativo em tudo quanto é sítio, incluídas as escolas, para que todos e cada um possa fazer o que quiser…quando quiser…com quem lhe apetecer...sem regras, sem respeito, sem qualquer ponta de vergonha ou sem qualquer espécie de responsabilidade.

A educação sexual que se tem vindo a fazer nas escolas europeias e portuguesas, por decisão de quem governa, não tem passado de um incitamento ao “sexo livre”…e irresponsável, e à distribuição gratuita de preservativos, o que se pode resumir no título deste artigo e no slogan dos cartazes portuenses: USA…E NÃO TE PRIVES! É assim que se alimenta o “sagrado” fogo das paixões: atirando-lhe gasolina! Gostava de saber como reagem os pais que amam os filhos (e as filhas) e não os (as) querem ver nesta promiscuidade sexual, usadas ou abusadas seja por quem for!… Já nem reagem, infelizmente! E esse é que é o grande problema! Vamo-nos habituando a tudo! Já desistimos de lutar pelos nossos ideais… e pelas nossas convicções! Este ambiente libertário que nos rodeia e estes democratas sem fé e sem moral que nos governam agora e vêm governando há muito, têm vindo a silenciar as nossas vozes…a esmagar as nossas convicções… e a sufocar os nossos valores… E nós, continuamos a escolhê-los.

É interessante sabermos que, na Inglaterra, um dos países mais avançados em tudo o que se refere a “educação sexual”, com preservativos gratuitos ao dispor de todos, à mão de semear, têm vindo a crescer assustadoramente o número de meninas engravidadas, aos milhares, algumas pré - adolescentes. É útil sabermos ainda que, há poucos dias, um miúdo de tenra idade se reconhecia já pai por ter engravidado um criança da escola, com outros a pretenderem que o filho afinal lhes pertencia, já que também eram “clientes” da referida adolescente, ela também frequentadora da “Educação Sexual” na sua escola.

Termino, informando apenas que essa Igreja Católica que tantos odeiam, criticam e perseguem (muitos até são seus filhos…nasceram-lhe inclusivamente em casa!), tem no mundo 1.200 projectos de apoio a doentes da SIDA que atingem anualmente quatro milhões e meio de pessoas! Só em África, 3 mil Padres e Religiosas, 16 mil voluntários e 15 mil funcionários empenhados na profilaxia da SIDA, em cerca de mil Hospitais, em mais de 5 mil Dispensários e em 800 Orfanatos.

Deixemo-nos de atoardas fáceis e de parangonas irresponsáveis!

Resende, 30 de Abril de 2009

Joaquim Correia Duarte (Pe.)

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial